Angolano cria máquina para apanhar mosquitos e ajuda no combate a malária na província do Huambo 

O angolano arrebatou uma medalha de bronze na Feira do Inventor de Nuremberga, na Alemanha, que decorreu entre 2 e 5 de Novembro.Neste momento, o inventor precisa de facilidades na aquisição de material para construir a máquina. Principalmente os sistemas electrónicos, que são escassos no mercado nacional. O que o obriga a reciclar alguns aparelhos para retirar peças que usa na RAAFI.

Para construir uma máquina, Ricardo Figueiredo usa, entre outros, caixa de madeira, leds, ventiladores eléctricos, regulador de tensão. Para transformar a corrente eléctrica alternada em corrente contínua, placa estabilizadora e painéis solares, estes últimos usados na nova versão.

Com o objectivo de melhorar o equipamento, o inventor pede apoio para conseguir o referido material e uma impressora 3D. Para construir uma máquina em caixa plástica e não de madeira. Ricardo Figueiredo salientou que os exemplares do primeiro protótipo estão esgotados. Por terem sido distribuídos aos 11 municípios do Huambo. Da nova máquina com placa solar, tem apenas um exemplar

“Estou à espera de ajuda para reproduzi-la e espalhar em mais províncias do país”. Disse o inventor que estabeleceu contactos com uma operadora de telefonia móvel para a produção desta nova máquina para outras regiões do país. Para construir uma máquina, o inventor disse que gasta mais ou menos 36 mil kwanzas. “São valores que preciso para que mais regiões possam beneficiar deste projecto e evitar que muita gente morra por causa da picada do mosquito”, explicou.

Com o uso da máquina, já distribuída para os 11 municípios do Huambo. Os serviços de saúde locais estão a direccionar melhor as campanhas de fumigação e de combate ao lixo e às águas paradas. Atacando com eficiência o mosquito causador da malária, disse o inventor. Ricardo Figueiredo avançou que a luta contra a malária no país pode ganhar outra dinâmica, nos próximos tempos, se houver mais apoios para a reprodução da máquina.

O inventor disse que as autoridades provinciais estão a conseguir êxito na luta contra a malária. Uma vez que a máquina tem ajudado a identificar os principais focos de concentração do mosquito naquela região do país.

Depois do Huambo, onde o inventor ofereceu ao Governo onze máquinas. Ricardo Figueiredo precisa de maiores apoios para estender o projecto a outras partes do país. Tendo em conta a sua utilidade no combate ao paludismo.

 

Jornal de Angola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *